Cultivo de Melão

    O melão e um fruto, de uma Olerícola (Cucumis melo . L) muito apreciada no Brasil e no mundo por seu sabor, propriedades medicinais como também seus benefícios ao organismo por possuir em sua constituição vitaminas A, B, B2, B5 e C. A região Nordeste e a maior produtora de melão do país com cerca de 95% da produção total concentrada nos estados do Rio Grande do Norte - (RN), Ceará - (CE), Bahia - (BA), Pernambuco - (PÉ). Sendo o Rio grande do Norte responsável por 50% da produção. Um fato interessante para o cultivo do melão e que o RN e CE encontram-se livres da mosca das cucurbitáceas (Anastrepha Grandis), devido ao alto controle das barreiras fitossanitárias. 
     As condições climáticas ideais encontra-se no nordeste (pouca chuva e muito sol), o que permite o cultivo do meloeiro quase o ano todo, porém o meloeiro pode ser cultivado em qualquer parte do país. O meloeiro e uma cultura que tem como faixas ideais de temperatura 20- 30 ℃, podendo ser cultivados a temperaturas superiores, a temperatura influência diretamente na qualidade do melão, aspectos como amadurecimento mais completo e teor de açúcar.

      Deve-se ter cuidado com a associação de altas temperaturas a ventos fortes que podem causar rupturas nos frutos sendo interessante instalar quebra ventos nas áreas de cultivo, ressalva-se que todos os fatores que afetam a fotossíntese afetam diretamente na qualidade do fruto.  A alta umidade do ar promove uma má formação dos frutos e facilita a disseminação de doenças e o surgimento de pragas (Cuidado com umidades superiores a 75%).
       As condições de clima que trazem para o meloeiro maior produtividade e qualidade nos seus frutos são: alta temperatura, radiação solar, baixa umidade relativa do ar, e número de horas de brilho de sol. Tais condições melhora o teor de açúcar, a consistência e em melões aromáticos o cheiro. As melhores épocas para cultivo de melão se estendem de agosto a dezembro.  Por haver uma janela no mercado internacional agregando valor ao melão exportado. Por se tratar de uma cultura de ciclo curto de 60 a 70 dias para inicio da colheita de seus primeiros frutos deve-se ter muita atenção aos controles sanitários e irrigação tendo em mente, seguir a risca os tratos culturais para que a cultura possa ter pleno desenvolvimento  e assim possa produzir frutos de qualidade e em quantidade. São vários os tipos de melões cultivados no Brasil, os principais grupos de melões cultivados são.

Amarelo - Melão inodoro, também conhecido como melão espanhol, possui uma polpa com coloração clara transitando do branco para o creme, seu fruto possui formato ovalado podendo chegar a 3,5 kg.

Cantaloupe - Melão aromático, possui sua casca rendilhada sobre uma coloração esverdeada, seu fruto apresenta formato aredondado  e sua polpa tem um amarelo esverdeado.

Charentais - Melão aromático, possui sua casca lisa  com  coloração verde clara reticulada, seu fruto e arredondado com polpa salmão.

Gália - Melão aromático, arrendondado com uma casca verde no inicio e amarelo quando madura, possui rendilhamento parecido com o cantaloupe, sua polpa vai do branco ao branco escuro esverdeado.

Pele de sapo -  Melão inodoro, possui sua casca verde clara com manchas verdes escuras, levemente enrugada e dura, os melões comercializados são de maior tamanho.


O melão quando maduro deve apresentar níveis de sólidos solúveis totais entre 11 e 14 ° Brix


A produtividade de melão (comercial) pode varia de 30 - 40 t.ha, sendo que produções maiores estão diretamente ligadas aos níveis de tecnologia adotados como também ao sistema de manejo e tratos culturais conduzidos no decorrer do ciclo da cultura. 


Espaçamento para cultivo 


     Diversos arranjos podem ser utilizados, no entanto o arranjo que veem sendo comumente adotado e apresentando bons resultados e com 2 metros entre linhas e 0.4 metros entre plantas, perfazendo um total de 12.500 plantas por hectare admitindo-se um produtividade de 35 t, temos uma média de peso  fruto planta de 2.8 kg sendo está produtividade comercial. 


Preparo do solo 

A área para plantio deve ser relativamente plana com boa receptividade de luz solar, após limpa a área devera sofre os seguintes tratos:

Aração: Aração deve ser realizada com profundidade média de 25 a 30 cm.

Correção do solo: Caso necessário realizar a correção do solo com calcário e gesso (30 dias antes para que ocorra a reação necessária para redução do pH a níveis ideais ou para o controle de alumínio ou sódio).

Gradagem: A gradagem deve ser realizada a fim de promover uma  melhor homogenização do solo, devendo ser realizada no sentido contrario a aração.

Sulcamento: Com sistema de irrigação previamente dimensionado e tendo conhecimento dos locais onde serão instaladas as linhas de gotejadores, realiza-se o sulcamento com profundidade de 20 cm, dentro do sulco aplicará-se de 5 a 10 t de composto orgânica ou  biodinâmico.

Camalhões: Após a abertura dos sulcos e a aplicação de composto orgânico realiza-se a confecção dos camalhões que devem possuir de 15 a 20 cm de altura por 30 a 40 cm de largura.

Adubação química:  Em cultivos convencionais, tem-se aplicado as seguintes proporções de NPK por hectare. 40 kg. N  - 400 kg. P2O5 - 150 kg . K2O, obtendo-se bons resultados.

Instalação das linhas de gotejadores: Nesta etapa a linha de gotejadores será instalada sobre o camalhão dividindo o mesmo ao meio, nesta etapa deverá ser realizado alguns procedimentos para verificar o funcionamento adequado do sistema tais como: 

a) verificação do sistema de filtragem;
b) verificação da vazão e pressão do sistema;
c) verificação da eficiência do sistema;
d) verificação dos pontos de vazamento e posterior correção;
c) lavagem da rede de irrigação caso o sistema tenha passado muito tempo inativo;
d) verificação dos gotejadores e resolução de problemas como entupimento, caso sendo necessário realizar a limpeza com peróxido de hidrogênio (ver artigo neste blog).
f) qualidade da água entre outros. 


Instalação da manta (mulching): Verificando estes pontos realiza-se a instalação da manta, deve-se ressaltar que pode-se utilizar de instrumentos de identificação para os pontos onde há os gotejadores, afim de localizados quando for realizar a perfuração da manta, a manta deve ser presa com solo do local de modo que fique bem fixa e sem bolhas de ar. Após a sua instalação  e realizado a perfuração dos pontos onde recebera as mudas, para isso pode utilizar de uma recipiente metálico de formato circular com diâmetro variando de 5 a 6 cm. Quanto a cor do mulching veem sendo utilizado tanto mulching de cores pretas como cinza, um fato interessante e que o mulching de coloração preta promove um maior aquecimento do solo o que acelera a mineralização da matéria orgânica e disponibilização de nutrientes, entretanto em regiões muito quentes as altas temperaturas no colo da planta podem provocar o surgimento de doenças fúngicas. 

Plantio

Quanto ao plantio pode ser realizado de duas maneiras, direto no solo ou transplante de mudas. Antes do plantio, em ambos os casos deve-se realizar uma irrigação previa antes do solo receber as sementes  ou mudas.

Plantio de sementes: Quando o plantio for realizado por sementes deve se realizar um plantio em paralelo em bandejas no mesmo dia, afim de substituir possíveis falhas no campo. 

Transplante de mudas: As mudas podem ser cultivadas em badejas ou copinhos, e deveram ser conduzidas a um viveiro onde passaram a proximamente 8 dias, recebendo os tratamentos adequados para o seu desenvolvimento, quando está estiver com duas folhas formadas deve ser conduzida ao campo para transplante. Quanto ao substrato pode-se utilizar diversos, porém o mais comumente utilizado e a fibra de coco. Uma das vantagens do plantio de mudas e que as mesma apresentam maior sanidade pelo fato de no viveiro ser mais fácil o controle sanitário. No ato do transplante deve se ter atenção em relação ao contato da muda transplantada com o solo. 

Uso do TNT:  O uso do TNT e opcional o mesmo traz alguns aspectos positivos e negativos que devem ser criteriosamente analisados. Incrementa um custo extra pela aplicação da manta tecido não tecido, sua aplicação e realizada após o transplantio e geralmente continua sobre a cultura até os 25 dias após o transplante quando as primeiras flores femininas começam a surgir onde e posteriormente removido para polinização das flores pelas abelhas. A mesmo garante melhor controle de pragas tais como a mosca branca e  lagarta minadora, entre outras. Reduzindo assim aplicações ou mesmo eliminando durante este período. Outro beneficio do TNT e a economia da água de irrigação por promover  uma cobertura da planta reduzindo assim as perdas por evapotranspiração, comumente utiliza-se TNT 80% de gramatura  de 17 mg.m². Deve-se notar que devido a confecção de um microclima entre o mulching e o TNT a temperatura interna em regiões muito quentes pode chegar a 47 ℃, devendo se ficar atento a este fator para que a cultura não seja afetada. 


Manejo e controle de sanidade das plantas

Instalação de colmeias: A instalação de colmeias favorece a produtividade do meloeiro, a planta por ser andromonóica apresenta flores masculinas e femininas na mesma planta, tendo as abelhas como principais agentes polinizadores, a instalação de 3 colmeias por hectare pode favorecer um incremente de 30% na produção de frutos. Em cultivos convencionais deve se ter cuidado na aplicação de inseticidas que podem acabar por matar as abelhas, evitando aplicação 6 as 9 horas.

Manejo integrado de pragas (MIP): O manejo integrado de pragas e uma das melhores formas de se ter um controle de pragas e doenças no pomar, como também estabelecer um criterioso programa de rastreabilidade do pomar, delimitando glebas e talhões, e assim, identificando a origem dos frutos e seus efetivos controles. 

Manejo da irrigação:  Em sistemas de irrigação que não se utilizam de mulching o manejo pode ser feito através de métodos diretos e indiretos tais tais como Tanque Classe A ou através de equações matemáticas como a equação de Penman Mountain corrigida pela FAO, para adoção deste ultimo método será necessário a utilização de dados metateológicos, para tanto deve-se coletar os dados de uma estação meteorológica convencional ou automática que represente a área de cultivo.  Quando a utilização de mulching os melhores métodos são tensiometria, ou métodos padrões de estufa, em cultivos mais simples e em pequenas áreas pode-se utilizar o sensor irrigas. 

Manta amarela:  A maioria dos insetos sentem uma atração pela cor amarela, a passagem de uma manta amarela do período das 5 as 9 nove da manhã embebida em óleo e um excelente controle alternativo para pragas, visto que os insetos possuem sua estrutura respiratória localizada no seu tórax, e ao entrarem em contato com óleo contigo na manta morrem por asfixia. 

Pragas e doenças: São inúmeras as pragas e doenças que atacam o meloeiro, conhecer as principais pragas e seus potências danos e de suma importância para quem está cultivando está cultura pela primeira vez. 

Mosca branca -  A mosca branca reduz o tamanho dos frutos e consequentemente o seu peso, reduz a  a produtividade e afeta a aparência e forma do fruto, quando sugando a seiva secreta uma  substância açucarada comumente conhecida como "mela", desta substancia em associação mutualística surge a fumagina que traz influências diretas sobre a planta reduzindo a taxa fotossinteticamente ativa da mesma. Outro aspecto e que a mosca branca e vetor do vírus do amarelão do meloeiro. Umas das formas de controle e uso do TNT, durante os primeiros dias de cultivo, Produção de mudas em vieiro, Uso de tela amarela embebida em óleo e pulverizações para o controle da praga.

Mosca minadora - A mosca minadora ao deposita seus ovos sobre a folha, ao iniciar seu estado larval abre galerias  em formato zig-zag.

Pulgão - O pulgão entre seus principais danos temos o encaquilhamento e deformação de plantas jovens, danos na brotações e folhas novas.

Broca das curcubitaceas - Basicamente a dois tipos base dessa broca: tipo 1 que ataca principalmente as flores e frutos, e a broca do tipo 2 que atacam as folhas podendo trazer enormes danos e levar a morte da planta. 

Mosca das frutas -  Está mosca deposita seus ovos na casca do fruto, posteriormente as larvas se desenvolvem dirigindo-se para o seu interior, tornando o consumo do fruto inviável. 

Oídio - Seu ataque se caracteriza pelo aparecimento de manchas claras  que formam um mofo branco que vai tomando a folha, estas vão  amarelando e secando, os ramos definham e os frutos sofrem ligeira deformação.

Míldio - Seu ataque parece muito com o ódio mais começa atacar pela parte inferior das folhas, após algum tempo o tecido torna-se necrótico de cor marro telha. 

Cancro - As plantas atacadas apresentam exsudação de uma goma escura no colo da planta.

Murcha de fusarium - Pode acontecer em qualquer estágio da planta, em plantas adultas verifica-se o amarelecimento das folhas mais velhas seguido do murchamento das folhas mais novas.

Cancro seco -  Altera principalmente a zona do colo e o inicio da planta e partes baixas. Folhas atacadas secam por completo ficando aderidas ao colo.

Mancha aquosa - manchas verdes claras oleosas com cerca de 1 mm de diâmetro.

Mucha de Rhizoctonia - Os sintomas desta doença iniciam-se  com uma clorose branca e posterior necrose das folhas. 

Murcha monosporus - A raiz atacada por este fungo causa necrose e apodrecimento.

Colheita e Pós Colheita

A colheita comumente inicia-se 65 dias após o plantio, devendo-se analisar criteriosamente aspectos como  sólidos solúveis, aspecto da casca, tamanho do fruto, cor,  firmeza da polpa. De maneira geral considera-se apto para colheita melões com Brix de  10 -13° e firmeza de 30 - 35.

Após de identificado aptadão para colheita, com auxilio de uma tesoura de poda ou pequena faca sem ponta, realiza-se um corte de 1 a 3 cm de comprimento. O fruto deve ser deixado entre as folhas da planta afim de evitar  exposição direta ao sol, posteriormente deverá ser conduzido ao galpão de tratamento e higienização.  Para limpeza dos frutos pode ser utilizado hipoclorito de sódio na proporção de 50 mg por litro, deve-se manter o pH da solução entre 6.8 a 7 , usando água de boa qualidade. 

Obs.: Para evitar  que os frutos apresentem a conhecida como "Barriga branca", estes devem ser virados cerca de 30 ℃ para que todas as partes do fruto  tenham sido expostas ao sol, assim evita-se a barriga branca e a mancha por encosto. Outra prática importante e o raleio afim de retirada de frutos deformados e que não apresentaram desenvolvimento satisfatório garantindo com que o fluxo de seiva que iria para estes seja direcionado a outros aumentando a qualidade e tamanho. 


Os frutos devem ser condicionados em caixas de papelão e possuem uma classificação que alternada de 1 a 14 em decorrência do número de frutos por caixa. Uma caixa com 6 frutos e classificada como tipo 6 e uma caixa com 8 frutos como tipo 8. As caixas comumente condicionam 5 a 10 melões e até 13 kg. Diferente do melão pele de sapo e Amarelo (conhecidos como melões quente)  podem ser condicionados a temperatura ambiente o melão Cantaloupe (meão frio) deve ficar armazenada em uma câmera de refrigeração sobre uma temperatura de 3 a 4 ℃, ressalta-se que deve-se evitar a mudança de temperatura visto que está pode estragar os melões. A etiquetagem dos melões deve ser feita com etiqueta de polietileno afim de evitar contaminação dos frutos com resíduos químicos. 

O processo de tratamento de pós colheita pode ser simplificado da seguinte forma:

1 - Pesagem;
2 - Limpeza;
3 - Classificação;
4 - Embalagem;
5 - Rotulagem e identificação;
6 - Câmera fria (melões frios)
7 - Comercialização e transporte.


Vídeos para mais informação 








Material de apoio em PDF (SENAR)





Fotos: Tiradas na Fazenda Águas da Tamanduá, Santa Terezinha - PB. Técnico responsável pelo cultivo (Manuel Zacarias & Marcelo).

Postagens mais visitadas deste blog

Fertilizantes forma de calcular adubação NPK

Tipos de Irrigação