quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Aspectos gerais da Palma forrageira (Traduzido por Leôncio).

Jose C.B. Dubeux Jr.a, Hichem Ben Salemb and Ali Nefzaouic
a University of Florida, North Florida Research and Education Center, Marianna,
United States of America
b National Institute of Agricultural Research of Tunisia, University of Carthage, Ariana, Tunisia
c International Center for Agricultural Research in the Dry Areas, Tunis, Tunisia

Traduzido da Cactus - FAO  por Leôncio Gonçalves Rodrigues


Introdução


A produção pecuária permanece a principal fonte de entrada de dinheiro para populações rurais vivendo em áreas secas. Ela e um componente chave da produção viva e um indicador de riqueza. Contudo, o setor encara muitos desafios incluindo constrangimentos alimentares e climática mudança. Pastagens em semiáridas regiões desempenham uma importante função na produção em sistemas pecuários, embora sua contribuição na alimentação animal esteja diminuindo. A produtividade das pastagens são usualmente baixas ( < 5 toneladas de matéria seca [MS].ha-¹.ano-¹) com baixas rendimentos de biomassa consumível (< 1 tonelada DM.ha-¹. ano-¹), conduzindo para baixa transporte de capacidade ( 12 - 15 ha para sustentar uma vaca adulta ano). (Dubeux et al., 2015a). espécies perenes adaptadas são um opção potencial para o melhoramento pra disponibilidade de forragem em áreas secas. A população pecuária tem  aumentado firmemente nas décadas recente, frequentemente resultando na degradação das pastagens.  A escassez de água e um outro importante fator  em regiões secas, ameaçando a sustentabilidade da pecuária baseada nesses sistemas. Projeções globais indicam que o uso da água irá aumentar nas décadas recentes, haverá portanto, menos água disponível para agricultura e produção pecuária.

     Neste senário, a palma se torna uma das mais proeminentes culturas para o século 21. A palama, e uma espécie suculenta resistente a seca que pode produzir > 20 toneladas de MS.ha-¹.ano-¹ e prover 180 toneladas.ha-¹.ano-¹ de água armazenada em suas raquetes, representando uma economicamente viável opção para pecuária consumo de água (Dubeux et al., 2015b). Em tais níveis de produtividade, e possível produzir suficiente forragem para sustentar 5 vacas adultas por ano. e pelos menos um aumento de 60 vezes em relação a produtividade da pastagem. Com pequena e intensa pomares de palma cortada, e possível produzir alimento e reduzir a super pastejo nas pastagens.
     O potencial da palma, contudo, permanece inexplorado. Maiores espécies de palmas forrageiras incluem Opuntia ficus-indica Mill, e Napalea cochenillifera Salm-Dyck., com muitas variedades liberadas em diferentes países.  A relatos de produções de sucesso de palma como fonte de alimento em países como Brasil, México, Sul da África e Tunísia, usualmente devido ao suporte da fortes  entidades de pesquisas e programas de extensão. Para alcançar o sucesso, e essencial envolver todos as partes interessadas  na cadeia de produção pecuária, incluindo produtores, fornecedores, lojas de varejos, pesquisa e extensão e instituições, e políticos. A alimentação pecuária mercado esta crescendo, e ela envolve menos riscos do que a frutos ou mercado vegetal, representando, portanto, um potencial para  empresarial atividade. Em alguns países, raquetes de palma podados de pomares de frutas são usados como alimentação animal, complementando a renda da fazenda. Em geral, a produção potencial de forrageiro de cacto em regiões semiáridas e subutilizada. Há enormes oportunidades para desenvolver a palma  com base em sistemas pecuários de produção, promovendo a subsistência  e reduzindo a pressão em natural pastagens.


Sistemas de produção baseado para cactos

     Dada a falta de informação  superfície de cactos em diferentes agroecologias, não e possível fazer uma avaliação completa da importância do cactos dentro dos vários sistemas de produção.

Nativo
        
     A mais largas áreas de cactos nativos está localizada no México e cobre um estimativa de 3 milhões de ha. Pecuária frequentemente pasteja nessas áreas e nenhum especial tratamento e aplicado. Em alguns países, espécies de cactos podem ser invasoras em plantações e são usadas em similar maneira para nativas plantações. Por exemplo, em Tigray, Ethiopia, Pecuária pasta diretamente o cacto espinhoso. 

Cercas vivas e bosque


Pouco é o conhecimento sobre esta forma de cultivo de cactos, mas ela claramente tem uma importante função em muitos países, especialmente no norte da África e partas da Itália  e Espanha, onde muitas fazendas são protegidas por cercas biológicas usando cactos espinhosos. Em adição para sua eficiência função defensiva, essas cercas tem tradicionalmente reproduzido uma importante  parte na paisagem e organização  e local socioeconômico  como uma evidência de direitos de terra e propriedade em países ou regiões onde propriedade coletiva de terra e prevalente, tal como Norte da África.  Cercas de cactos são frequentemente plantadas  como prova prova de propriedade de terra. Além disso, ela contribui para controle de erosão, particularmente quando estabilizado ao longo de contornos (Lé Houérou, 2002).

Plantação de cactos também toma uma forma de bosque ao redor de casas rurais. Este tipo de plantação e uma fonte de alimentação  para família pecuária, assim como prover frutos para alto consumo e abrigo para famílias de aves. 

Mistura frutos-forragem


    Está e uma muito comum e muito difundido sistema. Ele e prevalente em quase todos os países onde ambientais condições permitem que o cactos cresçam  e podas de cactos e uma parte do conhecimento local  e tradição. Há dois tipos principais de plantação: Intensiva especializada em pomares de fruta, onde o objetivo de produção e boa qualidade de frutos para o mercado local ou exportação; e  pomares com baixa entrada, onde frutos são principalmente  para alto consumo ou mercado local. Em ambos os casos, a poda prover largas quantidade de cladodes no caso da palma raquetes, que são vendidas ou utilizadas na fazenda para alimentação pecuária. 

Reabilitação de pastagem


    O melhoramento de pastagens utilizando cactos sem espinhos tem sido praticado principalmente no norte da África desde os anos 1930 à 1940. Lé Houérou (2002) reporta que plantação de forragens foi sistematicamente desenvolvida, em particular na Tunísia, onde a base para pesquisa conduzida por Griffiths e colaboradores do Texas, Estados Unidos da América. Em 1932 o governo da Tunísia convidou Griffiths e  aplicou 30 anos de experiência de uso do cactos como forragem na Tunísia central para mitigar os efeitos da seca na pecuária. Além disso, terra atribuição foi autorizada na Tunísia central  em condição que contratos beneficiários,  a proposito de plantarem 10% da terra alocada com cactos sem espinho "palma",  para atuar como saída de emergência e suporta como um cultura forrageira de reserva.  Isto demostra uma sabia decisão, por que o países encarava 3 anos de severa seca durante 1946-1948, quando 70-75% da pecuária estava dizimada, mais não em fazendas com plantações de cactos "palma". (Lé houérou, 2002). 

    De um ponto de vista agronômico, em função de reabilitar ou melhorar a pastagem, pastagens fracas ou fazendas pobres em áreas caracterizadas por solos rasos, pedregoso, íngreme ou arenoso ou onde as condições climáticas e também seca para pratica agricultura, uma apropriada estrategia de plantio deve ser adotada: Densidade de 1000 - 2000 solteiras ou pares de raquetes por hectare  com espaço de 5 a 7 m entre ruas e 1 - 2 metros dentro das ruas. Em geral, nenhum especial tratamento são aplicados. Irrigação suplementar pode ser adotado durante o estabelecimento, mais apenas no primeiro ano se muito seco. Plantação são exploradas depois de 3 a 4 anos e total crescimento depois de 7 - 10 anos; se racionalmente manejada, elas podem permanecer produtivas por > 50 anos.












Aspectos gerais da Palma forrageira (Traduzido por Leôncio).

Jose C.B. Dubeux Jr.a, Hichem Ben Salemb and Ali Nefzaouic a University of Florida, North Florida Research and Education Center, Marianna, ...